Bruno Faro

O melhor amigo da criatividade

Prometi no meu último post, então aqui vai.
Eu mesmo já caí na besteira de não parar de trabalhar e estudar na busca de uma solução criativa pro desafio do momento. Lembro-me de estar criando um novo menu e em um dos pratos, empaquei.
A falta de ideia me gerou ansiedade. Li mais livros em casa e reli os que já havia lido. Revisei ideias antigas, entrei na internet. Nada.
O que eu precisava fazer? Hoje eu sei bem. Precisava viver do ócio criativo, termo que vem do livro homônimo de Domenico de Masi.
Não falo aqui do ócio que muitos alinham à preguiça. Este não auxilia. O ócio criativo é o que une trabalho, lazer e estudo. Na história do menu, eu só estava com trabalho e estudo, faltando o abençoado e suprassumo lazer.
Sabendo disso, meus dias passaram a ter momentos de trabalho, LAZER e estudo. Não há mais espaço para o formato arcaico que a maioria ainda se subjuga no cotidiano. Essa cultura tradicional fomenta a velha desculpa “estou sem tempo”. Sem tempo, não refletimos e nem buscamos novas referências….e adivinha de onde vem as grandes ideias e soluções criativas?

Domenico resume incrivelmente bem:
“Aquele que é mestre na arte de viver faz pouca distinção entre o seu trabalho e o tempo livre. Almeja, simplesmente, a excelência em qualquer coisa que faça, deixando aos demais a tarefa de decidir se está trabalhando ou se divertindo.” Esse se tornou meu mantra.